O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Pastoral da Mulher de BH distinguida com o 2º lugar do Prêmio Odair Firmino de Solidariedade

No último dia do IV Congresso e XVIII Assembleia Nacional da Cáritas Brasileira, ocorreu a entrega do II Prêmio Odair Firmino de Solidariedade. A Pastoral da Mulher de BH foi finalista e distinguida com o 2° lugar.

A Pastoral da Mulher de BH apresentou,  com o nome “Começar de Novo” sua experiência de transformação da realidade das mulheres que “batalham” no hipercentro de Belo Horizonte, sintetizando a Proposta Pedagógica Integral para as mulheres em situação de prostituição que leva aplicando desde 2006. Essa Proposta é comum a todos os outros projetos pastorais (em São Paulo, Salvador, Juazeiro, além de Belo Horizonte), onde as Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor realizam sua missão.

Lançado no ano passado pela Cáritas Brasileira, o Prêmio Odair Firmino de Solidariedade visa promover a solidariedade e valorizar as experiências e as ações coletivas que promovam o protagonismo dos brasileiros excluídos pelas políticas públicas e reconhecer os esforços das organizações, associações, entidades e grupos populares na defesa da vida. Este ano o tema do Prêmio é “Mulher, Desenvolvimento e Meio Ambiente”, com vistas a estimular e apoiar iniciativas que tenham mulheres no comando ou que beneficiem prioritariamente grupos de mulheres. A Cáritas Brasileira recebeu um total de 56 inscritos de todas as regiões do país. A região Sudeste foi a que mais apresentou projetos com 20 inscrições, seguida do Nordeste que apresentou um total de 17 experiências.O terceiro lugar ficou com o Grupo de Produção Rural Serra Gavião (PI). A experiência Começar de Novo (MG) foi a segunda classificada e A Luta das Mulheres Indígenas – Comisulba (BA) ficou com o primeiro lugar do prêmio. As três finalistas, além de um troféu e certificado, receberam um prêmio em dinheiro no valor de R$ 10 mil para o primeiro lugar, R$ 5 mil para o segundo e um prêmio de R$ 3 mil para o terceiro.Os aprendizados da Pastoral da Mulher nesta caminhada dos últimos anos têm sido muitos. Percorrer e a compartilhar solidariamente o caminho da vida com as mulheres, nos levou a experimentar no caminho que a libertação é mútua; humanizamos e somos humanizadas, salvamos  e somos salvas. Torna-se um itinerário de Graça: a mulher é um sinal de Deus para nós. Temos aprendido a superar visões distorcidas e preconceituosas que colocam a mulher como “vítima” ou “coitadinha”, reduzindo-as aos aspectos de fragilidade, impotência e imobilidade. As  mulheres  na Pastoral têm seu espaço de participação como agentes, sendo elas as principais promotoras de seu processo. Por isso nos colocamos ao seu lado, como companheiras e companheiros de caminho, e defensoras/es da vida e da dignidade da mulher. Valorizamos e dialogamos com sua experiência de vida, possibilitando assim uma  ação construída  coletivamente  onde a mulher, sensibilizada e consciente  de sua realidade, apropria-se de seu processo, compromete-se com ele e com a promoção de outras mulheres, tornando-se sujeito de transformação da sua própria realidade.

Outro aprendizado importante tem sido a interdisciplinaridade e o trabalho em rede. Nossa Pastoral, devido à complexidade da prostituição, realiza o trabalho em equipe interdisciplinar a partir do diálogo e do consenso e apoia-se na colaboração de outros grupos, profissionais da área das ciências humanas, entidades e instituições. É aberta ao diálogo com as diferentes posturas diante da prostituição, articula-se em redes de relações com pastorais de outras cidades para o acompanhamento da mulher itinerante, e com grupos que trabalham com a prevenção do tráfico de mulheres, do turismo sexual e da prostituição infantil.  Igualmente faz parceria com grupos e organismos de luta popular e de organização  de cooperativismo. Conta com assessoria permanente na avaliação de suas ações e no acompanhamento dos projetos; também sensibiliza outras pessoas, grupos e movimentos com relação a essa problemática.

Em todo este trabalho tem sido fundamental  o apoio do Instituto das Irmãs do Santíssimo Redentor e a colaboração com os outros projetos (Força Feminina de Salvador-BA, Pastoral da Mulher de Juazeiro-BA  e Projeto Antonia de São Paulo-SP) que fazem parte da Rede Pastoral Oblata.

(Equipe Pastoral da Mulher de BH)

Voltar 


janeiro 2018
 DSTQQSS
S 123456
S78910111213
S14151617181920
S21222324252627
S28293031   









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069